quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Crítica - A Possessão do Mal


E lá vamos nós para mais um terror barato (financeira e artisticamente) ao estilo found footage que traz tudo aquilo que todos os outros filmes nesse estilo fazem ao ponto de serem quase indistinguíveis e basicamente tudo que eu tinha falado sobre o péssimo A Forca vale também para este A Possessão do Mal ao ponto em que eu pensei em simplesmente dar um "copiar e colar" no texto e apenas mudar o nome do filme. Mas como não sou adepto do autoplágio (ou qualquer tipo de plágio para falar a verdade) e verdadeiramente creio que o esforço analítico de uma obra fílmica sempre pode acrescentar algo ao nosso entendimento da arte, da vida ou de nós mesmos, então vamos pensar um pouco a respeito desse filme e ver o que sai.

O filme acompanha o documentarista Michael King (Shane Johnson), um homem que acabou de perder a esposa e resolve fazer um filme para provar que não existe nenhum tipo de ocorrência sobrenatural. A filmagem é motivada pelo fato de que ele deveria ter viajado com a esposa no período em que ela foi acidentalmente atropelada, mas ela se recusou devido ao conselho de uma cartomante, então o marido culpa a tal charlatã e decide mostrar que não há nada de sobrenatural no mundo. Para tal resolve a se sujeitar a todo e qualquer ritual de magia negra, conjuração demoníaca, necromancia, enfim, qualquer coisa que pareça terrível.

terça-feira, 29 de setembro de 2015

Crítica - Perdido em Marte


Análise Perdido em Marte

Review Perdido em MarteO último filme realmente bom de Ridley Scott tinha sido O Gângster (2007) e de lá para cá entregou resultados irregulares em filmes como Prometheus (2012) e Êxodo: Deuses e Reis (2014), mas com este Perdido em Marte, Scott volta a demonstrar que ainda é capaz de produzir grandes obras.

Baseado no romance de Andy Weir, o filme acompanha Mark (Matt Damon), um astronauta que é acidentalmente abandonado em Marte quando sua equipe evacua o planeta durante uma violenta tempestade. Sem capacidade de comunicação com a Terra ou com sua equipe e com um estoque limitado de comida e água, Mark encontrar um modo de se manter vivo neste ambiente inóspito e encontrar um modo de contatar a NASA para que saibam que ainda está vivo.

É interessante como o filme consegue criar uma atmosfera constante de perigo e incerteza acerca do destino do personagem sem precisar criar grandes situações ou um clímax atrás do outro. O roteiro tem consciência que o próprio isolamento e o ambiente inóspito do planeta Marte são obstáculos suficientemente severos para a sobrevivência de qualquer ser humano.

sexta-feira, 25 de setembro de 2015

Crítica - Hotel Transilvânia 2


Análise Crítica - Hotel Transilvânia 2

Review Crítica - Hotel Transilvânia 2
Este Hotel Transivânia 2, assim como seu antecessor, é um dos raros casos no qual a dublagem é superior às vozes originais, já que nos poupa de ouvir o sotaque artificial de Adam Sandler, bem como as atuações sem carisma de alguns de seus chapas como Kevin James e David Spade que o acompanham em quase tudo quanto é projeto, vide o fraco Pixels. Assim como a animação anterior, esta continuação traz uma história previsível e cheia de clichês (escrita por Sandler e Robert Smigel), mas a inventividade visual do diretor Genndy Tartakovsky (criador de O Laboratório de Dexter, Meninas Superpoderosas e Samurai Jack) e seu acertado ritmo cômico acabam fazendo tudo funcionar.

A trama se passa alguns anos depois do primeiro filme e agora Mavis (Selena Gomez) e Jonathan (Andy Samberg) estão casados e tem um filho pequeno Dennis, que aparentemente não herdou os traços vampirescos da mãe. Preocupado com o fato do neto não ser um monstro, Drácula (Adam Sandler) tenta a todo custo despertar o "vampiro interior" em Dennis, ao mesmo tempo em que Mavis começa a pensar que seria melhor se mudar do hotel para a cidade natal de Jonathan nos Estados Unidos para criar o filho humano.

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

Crítica - How To Get Away With Murder 1ª Temporada


Análise How To Get Away With Murder 1ª Temporada

Review How To Get Away With Murder 1ª Temporada
Quatro jovens se encontram na escuridão e discutem o que fazer com a arma do crime e o assassinato, corte abrupto para três meses antes e vemos os quatro chegando para a primeira aula de direito criminal na faculdade na qual são recebidos por uma rígida professora que também é advogada de defesa que se refere a sua disciplina como "Como sair livre de um assassinato". Teriam os jovens matado alguém em algum jogo doentio com essa professora? Seria a professora a vítima? O que aconteceu nesses três meses? Com apenas pouco mais de dez minutos em seu episódio piloto a série How To Get Away With Murder já nos fisgou com um instigante mistério e pelo menos uma personagem marcante na figura da professora Annalise Keating (Viola Davis), dois méritos que irá conseguir manter com consistência ao longo dos quinze episódios de sua primeira temporada.

Demorei um pouco para começar a assistir essa série apesar de bastante recomendada, o que por um lado é uma pena, pois estive perdendo uma ótima narrativa, por outro lado não precisei esperar em agonia semana a semana por um novo episódio e acabei devorando toda a temporada em dois dias. Tentarei evitar spoilers ao máximo, mas imagino que algumas pequenas menções a eventos específicos são inevitáveis, então se spoilers realmente incomodam, melhor voltar aqui apenas depois de ver a temporada inteira.

quarta-feira, 16 de setembro de 2015

Crítica - Evereste

Análise Evereste

Review EverestQuando pensamos em filmes envolvendo pessoas escalando montanhas o que nos vem a memória são trabalhos bem fracos como Limite Vertical (2000) ou Risco Total (1993), então não tinha grandes expectativas quando entrei para ver este Evereste. Embora não seja tão ruim quanto os produtos anteriormente citado, Evereste apresenta problemas demais para ser completamente satisfatório.

Baseado em uma história real, acompanhamos uma excursão de alpinistas liderados pelo profissional Rob Hall (Jason Clarke) para chegar ao topo do Monte Evereste, o ponto mais alto do mundo. Não bastando o risco natural que envolve uma empreitada como essa, a montanha é atingida por uma violenta tempestade durante a escalada, tornando tudo ainda mais mortal.

As paisagens do Nepal são muito bem filmadas e a fotografia consegue compor esse cenário como simultaneamente belo e hostil, beneficiado pelas amplas panorâmicas filmadas para o formato IMAX. As cenas de escalada são carregadas de tensão e mostram bem as dificuldades enfrentadas pelos alpinistas. O problema é que quando as coisas deveriam realmente engrenar e nos deixar  na beira da poltrona, os eventos não nos atingem como deveriam.

quarta-feira, 9 de setembro de 2015

Crítica - Nocaute


Filmes sobre boxe já estão mais do que manjados no cinema hollywoodiano e ainda assim continuam sendo feitos e continuam a atrair a atenção de público e crítica de Rocky: Um Lutador (1976) a O Vencedor (2010). Este Nocaute talvez não seja indicado a prêmios como os dois citados (exceto, talvez, pelo trabalho de Jake Gyllenhaal), mas certamente é uma obra competente, embora vejamos claramente que ele parece inspirado por vários filmes similares.

Parte Rocky, parte Touro Indomável (1980) e parte Menina de Ouro (2004), Nocaute acompanha o boxeador Billy Hope (Jake Gyllenhaal), um homem de origem pobre e temperamento esquentado que ascendeu no esporte graças a sua resistência, já que é adepto da "técnica Rocky" de apanhar dos adversários para cansá-los e depois finalizar rapidamente a luta. O sucesso de Billy é interrompido quando uma tragédia se abate sobre sua família e então ele se perde em uma espiral de raiva e autodestruição que lhe custa tudo. Sem ter o que fazer, retorna ao bairro pobre no qual cresceu em busca do treinador Tick Wills (Forrest Whitaker), que pode lhe colocar de volta nos eixos.

terça-feira, 1 de setembro de 2015

Crítica - O Agente da U.N.C.L.E



Ao sair da sessão deste O Agente da U.N.C.L.E, não consegui deixar de pensar como o Armie Hammer está no caminho para se tornar o novo Taylor Kitsch e não digo isso de uma maneira elogiosa. Se a comparação não fez sentido, explico: lá pelo fim dos anos 2000 Kitsch despontou na série Friday Night Lives e logo começaram a falar de seu potencial como astro. A questão é, embora não seja exatamente um mau ator, Kitsch engatou uma sequência de projetos equivocados que transformaram seu nome em sinônimo de fracasso e bilheteria negativa, o trinômio X-Men Origens: Wolverine (2009), Battleship: A Batalha dos Mares (2012) e John Carter: Entre Dois Mundos (2012) praticamente encerrou a carreira dele, até que ele voltou à televisão na segunda temporada de True Detective para lembrar do seu potencial.

Hammer está passando por algo similar, depois de chamar a atenção em A Rede Social (2010), amargou um retumbante fracasso no bagunçado O Cavaleiro Solitário (2013) e agora este O Agente da U.N.C.L.E teve uma recepção morna da crítica americana e estreou em um decepcionante terceiro lugar nas bilheterias. Claro, é perfeitamente possível que o filme se recupere na arrecadação internacional, mas a esse ponto todos sabem que se esse filme resultar em outro fracasso, a posição dele em Hollywood fica bem precária. Falo tudo isso para dizer que é o principal problema deste O Agente da U.N.C.L.E reside justamente em Hammer e Cavill.