sexta-feira, 31 de agosto de 2018

Crítica – Donut County


Análise Crítica – Donut County


Review – Donut County
Feito pelo game designer Ben Esposito ao longo de 5 anos, Donut County remete ao aloprado Katamari Damacy (e suas continuações) em sua mecânica básica de arrastar um objeto pelo cenário coletando a maior quantidade possível de tralhas para aumentar o seu objeto e coletar mais tralhas. Se nos Katamari o jogador controlava uma bola, em Donut County controlamos um buraco no chão. Apesar de uma mecânica parecida, Donut County tem personalidade o suficiente para não ser uma mera cópia.

A trama é contada em flashbacks, com os cidadãos de Donut County vivendo em uma caverna subterrânea depois de terem caído nos buracos que estão aparecendo na cidade. A garota Mira confronta seu melhor amigo, o guaxinim BK, sobre a responsabilidade dele naquilo tudo. A trama é cheio de diálogos bem humorados que exploram as personalidades excêntricas dos habitantes da cidade. Esse senso de humor, junto com os visuais coloridos, ajuda a dar personalidade ao universo e a música tranquila confere uma qualidade relaxante ao gameplay.

quarta-feira, 29 de agosto de 2018

Crítica – Objetos Cortantes



Análise Crítica – Objetos Cortantes

Review – Objetos Cortantes
Em Garota Exemplar (2014), filme que foi um dos objetos da minha tese de doutorado, o texto da romancista Gillian Flynn mostrava uma visão bastante sombria sobre relações matrimoniais. Esta minissérie Objetos Cortantes adapta outro romance de Flynn e mais uma vez tece uma trama soturna sobre a vida em família, dessa vez focando em relações parentais.

Camille Preaker (Amy Adams) é uma repórter da cidade de Saint Louis que é mandada de volta para Wind Gap, a cidadezinha do Missouri na qual cresceu, para cobrir o assassinato brutal de duas adolescentes. Em Wind Gap ela reencontra a família com quem não fala há anos: sua controladora mãe, Adora (Patricia Clarkson), a meia-irmã Amma (Eliza Scanlen) e o padrasto Alan (Henry Czerny). O reencontro abre feridas antigas e o trauma de Camille em ter perdido a irmã, Marion, ainda jovem. Assim, Camille precisa lidar tanto com as dificuldades da investigação quanto com seus problemas emocionais mal resolvidos.

A trama é claramente mais focada na jornada emocional de Camille do que na investigação em si, o que pode decepcionar que está em busca de uma trama policial mais tradicional, mas a escolha resulta em envolvente, e por vezes aterrador, estudo de personagem conforme passeamos pela mente fraturada da protagonista. O diretor Jean Marc Valée, responsável por Big Little Lies, constrói a trama com uma montagem abrupta, que constantemente corta para flashbacks de Camille, nos mergulhando no fluxo de consciência dela e evidenciando como todos os traumas passados ainda são totalmente presentes na cabeça da personagem. Essas fusões de passado, presente e viagens pela mente de Camille conferem um ar de delírio febril às imagens similar ao que acontecia em True Detective, flertando com o terror em muitos momentos.

terça-feira, 28 de agosto de 2018

Crítica - Os Jovens Titãs em Ação! Nos Cinemas

Análise Crítica - Os Jovens Titãs em Ação! Nos Cinemas


Review - Os Jovens Titãs em Ação! Nos Cinemas
Normalmente quando uma série animada ganha um filme, aproveita-se para tentar criar situações ou narrativas que aproveitem o orçamento maior para o cinema. Os Jovens Titãs em Ação! Nos Cinemas apresenta o mesmo senso de humor da série, capaz de agradar crianças e adultos, mas não consegue afastar o sentimento de que se trata de um episódio estendido que poderia tranquilamente ser exibido como telefilme ou como um arco de final de temporada de três episódios que foi levado aos cinemas só para ganhar mais dinheiro.

Talvez essa aparente falta de ambição em termos visuais seja fruto do próprio traço simples da animação que não dá muito espaço para algo mais elaborado sem mexer na essência e identidade do produto. No entanto, a mensagem pós-créditos avisando que as aventuras dos Titãs continuarão no Cartoon Network faz tudo soar incomodamente como uma mera estratégia de cross-promotion.

A trama segue as tentativas dos Jovens Titãs, formado pelos heróis Robin, Ciborgue, Estelar, Ravena e Mutano, para serem levados à sério pela Liga da Justiça e outros super-heróis. Para Robin, a melhor maneira de ser levado à sério é estrelar seu próprio filme, mas ele não consegue convencer a diretora Jade Wilson a lhe dar seu próprio longa metragem. A oportunidade surge quando o mercenário Slade rouba um valioso cristal e, ao enfrentá-lo, os Titãs finalmente adquirem um inimigo digno de filme.

segunda-feira, 27 de agosto de 2018

Lixo Extraordinário – Manos: As Mãos do Destino




Ao longo desta coluna, eu analisei muitos filmes com alto grau de incompetência técnica. Muitos deles acabavam se tornando divertidos como The Room (2003) ou Samurai Cop (1991), mas este Manos: As Mãos do Destino é talvez o mais incompetente que eu já analisei e o pior é que não consegue nem provocar risos.

Feito em 1966 por Harold P. Warren, que escreveu, dirigiu e protagonizou, a trama acompanha uma família de férias que se perde durante sua viagem para o interior do Texas e acaba indo parar em uma casa habitada por um sinistro culto pagão liderado pelo sinistro Mestre (Tom Neyman). Warren, um vendedor de seguros e fertilizantes sem experiência prévia com cinema, supostamente realizou Manos depois de fazer uma aposta com um amigo que era muito fácil fazer um filme de terror. O resultado, no entanto, mostra que ele estava completamente enganado.

O primeiro problema a se notar é o som. As falas dos personagens foram claramente redubladas em pós-produção e estão bem fora de sincronia. Já nos primeiros diálogos é possível perceber que os sons não acompanham os movimentos da boca dos personagens e, talvez por isso, o filme corte abruptamente durante os diálogos para planos das costas das pessoas ou outras imagens nada a ver com o intuito de disfarçar sua assincronia. A música usada soa inadequada em muitos momentos, já que o jazz suave se mostra deslocado da atmosfera de tensão que a trama tenta criar, sendo muito esquisito escutar uma música tão relaxada enquanto o título do filme aparece soturnamente na tela.

quarta-feira, 22 de agosto de 2018

Crítica – Te Peguei!


Análise Crítica – Te Peguei!


Review – Te Peguei!
A comédia começou como um gênero predominantemente físico nos cinemas. Antes do advento sonoro, os filmes circunscritos no gênero faziam graça a partir de situações puramente físicas, com acrobacias, tombos, caretas e outras façanhas. Buster Keaton se tornou famoso pelas proezas físicas que fazia em suas comédias, o elenco de Os Três Patetas é célebre pelo encadeamento coreografado de tapas, socos e esbarrões. Mesmo depois da chegada do som síncrono tivemos comediantes que primavam pela fisicalidade como a corporalidade aparvalhada de Jerry Lewis ou a elasticidade facial de Jim Carrey em anos mais recentes. Eu falo tudo isso para dizer que este Te Peguei! tenta justamente ser uma comédia predominantemente física e é essa entrega ao encadeamento de situações físicas cheias de absurdo e exagero que tornam o filme tão divertido.

Levemente baseado em uma história real, a trama acompanha um grupo de amigos que há mais de trinta anos brinca da mesma partida de pega-pega, disputando a brincadeira todo mês de maio. Hogan (Ed Helms), Bob (Jon Hamm), Chilli (Jake Johnson) e Sable (Hannibal Buress) descobrem que Jerry (Jeremy Renner) irá se casar e deixará a brincadeira. Como Jerry nunca foi pego desde a infância, sendo o campeão invicto do jogo, os amigos decidem encontrar um jeito de finalmente pegá-lo.

terça-feira, 21 de agosto de 2018

Crítica – Slender Man: Pesadelo Sem Rosto


Análise Crítica – Slender Man: Pesadelo Sem Rosto


Review – Slender Man: Pesadelo Sem Rosto
Um filme baseado em um meme com quase dez anos de idade não me soa como algo atrativo. Talvez se este Slender Man: Pesadelo Sem Rosto, baseado na criatura criada por Eric Knudsen em 2009 em fóruns de internet, tivesse sido lançado próximo à época que o meme estava no auge ele pudesse despertar interesse. Feito hoje, quando o meme já inspirou tragédias reais como a retratada no documentário Cuidado com o Slenderman (2016) na qual duas garotas tentaram matar uma amiga para oferecê-la em sacrifício para a criatura, parece mais uma tentativa de requentar algo cujo tempo sob os holofotes já passou e talvez não devesse retornar.

A trama acompanha um grupo de amigas que ouve falar sobre o mito do Slender Man, uma criatura que supostamente faz crianças desaparecerem, e decidem procurar informações a respeito dele na internet. As garotas assistem um vídeo e logo depois começam a ser assombradas por sonhos nos quais o Slender Man tenta capturá-las em uma floresta. Assim, elas precisam desvendar o mistério da criatura antes de ser tarde demais.

segunda-feira, 20 de agosto de 2018

Crítica – Escobar: A Traição


Análise Crítica – Escobar: A Traição


Review – Escobar: A Traição
Quando escrevi sobre Feito na América (2017), falei como Hollywood vinha continuadamente investindo em histórias sobre o traficante Pablo Escobar, de Conexão Escobar (2016) a Escobar: Paraíso Perdido (2014), passando pela série Narcos. Este Escobar: A Traição é mais um filme dessa leva e só serve para provar a saturação do mercado com tramas sobre o famoso (ou infame) chefão do tráfico colombiano.

A trama pretende ser focada no caso que Pablo Escobar (Javier Bardem) teve com a jornalista Virginia Vallejo (Penélope Cruz) durante o auge do poderio de seu reinado como traficante. Eu digo “pretende” porque essa história nunca é realmente contada ou examinada, esses dois personagens mal interagem ou dialogam ao longo das duas horas de projeção e o texto parece claramente mais interessado na ascensão e queda de Escobar no tráfico do que em entender a complicada relação que havia entre os dois, o que os movia ou os atraía.

A verdade é que o caso entre os dois é uma mera nota de rodapé na história de Escobar (que era casado na época) e ao tentar transformar em central algo que era pouco importante na trajetória no narcotraficante o filme apenas evidencia a própria irrelevância. Talvez funcionasse se Virgínia fosse colocada em primeiro plano e Escobar fosse um personagem secundário, mas do jeito que está, com Escobar tendo o maior tempo de cena, a narrativa me fez perguntar o tempo todo durante a projeção “porque esse filme existe?”.

sexta-feira, 17 de agosto de 2018

Crítica – Medo Viral


Análise Crítica – Medo Viral


Review – Medo Viral
Era inevitável que algum filme de terror fosse falar de nossa dependência de telefones celulares e aplicativos que fazem praticamente tudo por nós, de pedir comida a dar as direções para chegarmos em algum lugar. É uma pena, porém, que o filme a fazer isso tenha sido tão ruim quanto este Medo Viral.

Na trama, a melhor amiga de Alice (Saxon Sharbino), morre sob circunstâncias misteriosas. Dias depois, ela e alguns de seus amigos recebem em seus telefones um convite para testar um novo aplicativo de celular que oferece um assistente virtual (tipo a Siri da Apple) chamado Sr. Bedevil (voz de Jordan Essoe). O fato do convite vir do celular da amiga morta de Alice não chama atenção dos garotos, afinal vivemos em uma era de convites automáticos e constantes spams de sites como LinkedIn. Ao instalar o aplicativo, o Sr. Bedevil começa a conversar e provocar os garotos, não muito diferente do assassino da franquia Pânico. Aos poucos Bedevil sai do mundo virtual para assombrá-los no mundo real, confrontando-os com seus piores medos tal como o Pennywise de It: A Coisa (2017) ou o Freddy Kruger de A Hora do Pesadelo, tudo isso embalado pela temática da tecnofobia similar a filmes como O Chamado (2002) ou Amizade Desfeita (2015).

quarta-feira, 15 de agosto de 2018

Crítica – Tully


Análise Crítica – Tully


Review – Tully
Já fizeram muitos filmes sobre as belezas da maternidade, sobre o ideal romântico de carregar uma gestação, parir um filho e cuidar do seu bebê, mas recentemente alguns filmes vem se comprometendo a abordar aspectos pouco falados dessa fase da vida de uma mulher. Olmo e a Gaivota (2015), da brasileira Petra Costa, fez isso com o período da gestação e este Tully, do diretor Jason Reitman, observa a solidão do pós-parto.

A narrativa é centrada em Marlo (Charlize Theron), uma mãe de duas crianças que acaba de ter seu terceiro bebê. Cansada e sem conseguir dormir, ela decide seguir o conselho de seu irmão e contrata uma babá noturna, a jovem Tully (Mackenzie Davis), para cuidar de sua filha durante a noite enquanto ela dorme. Aos poucos Marlo começa a se conectar com Tully, relembrando de um lado de si que tinha esquecido.

O filme trabalha para revelar a solidão experimentada por Marlo em seu trabalho de mãe, constantemente precisando lidar com quase tudo dos filhos maiores por conta própria durante o dia e de sua recém-nascida à noite. Sua vida é literalmente uma montagem de ações repetitivas e incessantes com os cuidados de suas crianças e Charlize Theron é mais que eficiente em nos mostrar a exaustão de sua personagem, não apenas no quesito físico, mas também mental, já que ela lida não só com as cobranças que faz a si mesma como também a de outras pessoas, inclusive estranhos. Isso fica mais do que evidente na cena em que Marlo é recriminada por uma idosa desconhecida ao pedir um café, como se o corpo da protagonista não lhe pertencesse, mas fosse um bem público que qualquer pessoa pudesse interferir, dar pitacos e se sentir no direito de controlar.

terça-feira, 14 de agosto de 2018

Crítica – Mentes Sombrias


Análise Crítica – Mentes Sombrias


Review – Mentes Sombrias
As adaptações de literatura adolescente se tornaram um grande filão comercial em Hollywood no início dos anos 2000 graças ao sucesso de títulos como Harry Potter, Jogos Vorazes ou mesmo Crepúsculo (estou falando em termos de sucesso comercial, não necessariamente artístico). Na esteira desse sucesso surgiram vários produtos similares, também baseados em produtos literários, que queriam explorar o filão, mas a maioria deles sequer conseguiu contar suas histórias até o fim como o caso de Percy Jackson, O Lar das Crianças PeculiaresDivergente ou Instrumentos Mortais (que depois virou série televisiva).

Se o desgaste dessas adaptações de literatura adolescente, principalmente as que se baseiam em distopias futuristas, já não estava evidente, este Mentes Sombrias é a prova que faltava que esse filão comercial já não tem mais lenha para queimar. A trama se passa em um futuro alternativo no qual a maioria das crianças ou adolescentes foram mortas por um vírus mortal. As que sobreviveram ao vírus desenvolveram habilidades especiais que vão desde inteligência aumentada até controle da mente e o governo avalia cada uma dessas habilidades com um nível de periculosidade associando uma cor à posse dessas habilidades, sendo que cada jovem exibe olhos que são da mesma cor que a escala de periculosidade do governo, o que é bem conveniente, já que em momento algum a narrativa afirma que a escala foi elaborada a partir dos olhos das pessoas.

segunda-feira, 13 de agosto de 2018

Crítica – O Protetor 2


Análise Crítica – O Protetor 2


Review – O Protetor 2
O Protetor (2014) podia ser um filme relativamente derivativo, mas ao menos exibia um certo grau de autoconsciência e conseguia construir um bom suspense a partir da tensa disputa entre o protagonista Robert McCall (Denzel Washington) e o gângster Teddy (Marton Csokas). Esta continuação, no entanto, não consegue manter o mesmo nível de tensão original, resultado em um produto bastante inferior.

A narrativa começa com McCall trabalhando como motorista enquanto continua a ajudar pessoas em seus momentos de folga. Seu cotidiano é interrompido quando Susan (Melissa Leo), sua antiga amiga de seu tempo na CIA, se envolve em uma conspiração internacional e McCall decide encontrar os responsáveis a qualquer custo, inclusive recorrendo a seu antigo parceiro, Dave (Pedro Pascal).

Se o anterior tinha uma história relativamente simples de McCall tentando corrigir injustiças que acontecem nas ruas, essa continuação tenta algo mais ambicioso ao tentar tecer uma trama envolvendo uma vasta conspiração internacional, mas a questão é que essa premissa maior se choca com o conceito do personagem, de um herói errante que ajuda pessoas comuns com a criminalidade das grandes cidades. O primeiro filme reconhecia como seu protagonista reproduzia um arquétipo antigo da ficção e, talvez por isso, atemporal.

sábado, 11 de agosto de 2018

Crítica – O Pacote

Análise Crítica – O Pacote



Review – O Pacote
Algumas vezes tomamos decisões sem pensar muito a respeito e que, posteriormente, sequer conseguimos explicar exatamente a razão de termos feito essa escolha. Isso aconteceu comigo ao assistir esse O Pacote. Não tenho exatamente uma razão para ter me sujeitado a assistir isso ou ter suportado até o fim, não sei explicar porque fiz isso, mas posso dizer que me arrependo amargamente de ter desperdiçado noventa minutos da minha vida com isso.

Na trama, os adolescentes Sean (Daniel Doheny), Becky (Geraldine Viswanathan), Sarah (Sadie Calvano), Donnie (Luke Spencer Roberts) e Jeremy (Eduardo Franco) viajam para acampar, mas na primeira noite na floresta Jeremy acidentalmente corta o próprio pênis fora e assim eles iniciam uma corrida contra o tempo para salvar o membro do amigo. Seria justo dizer que O Pacote é uma longa piada de pênis com noventa minutos de duração e poderia render uma comédia escatológica divertida se essa premissa absurda fosse desenvolvida de maneira criativa, mas não é o que acontece e, como a maioria dos filmes de uma piada só, ele não tem fôlego para sustentar sua duração.

quinta-feira, 9 de agosto de 2018

Crítica- Você Nunca Esteve Realmente Aqui


Análise Crítica- Você Nunca Esteve Realmente Aqui


Review - Você Nunca Esteve Realmente Aqui
Na superfície Você Nunca Esteve Realmente Aqui parece mais um daqueles filmes estilo Busca Implacável (2008) com um calejado ex-militar embarcando em uma jornada brutal para resgatar uma garota. Essa obra da diretora Lynne Ramsay se vale deste tipo de premissa, mas não tem o interesse na construção de um espetáculo de ação ou suspense tal como a maioria dos produtos que contam esse tipo de história. Seu filme parece mais interessado nas marcas que essa violência deixa na mente e no corpo de seu protagonista do que nas reviravoltas ou pancadaria.

A trama é centrada em Joe (Joaquin Phoenix), um ex-soldado que ganha a vida resgatando crianças desaparecidas. Uma grande oportunidade de pagamento surge quando ele é contratado para encontrar Nina (Ekaterina Samsonov), a filha de um influente político, mas ao localizar a garota Joe logo descobre que se envolveu em algo muito maior do que imaginava.

Joaquin Phoenix é ótimo ao evocar a natureza atormentada e autodestrutiva de Joe, um sujeito cujo aspecto físico descuidado, barba desgrenhada, roupas velhas e cicatrizes parece berrar silenciosamente “não se aproxime” para qualquer um que pouse os olhos sobre ele. Seu ímpeto autodestrutivo, fruto do que parecem ter sido décadas de dor, traumas e desilusão, se manifesta constantemente em suas “brincadeiras” com uma faca na boca ou quando coloca um plástico ao redor da cabeça.

quarta-feira, 8 de agosto de 2018

Crítica – Megatubarão


Análise Crítica – Megatubarão


Review – Megatubarão
Quando você entra para assistir um filme sobre um tubarão gigante, o mínimo que se espera é algo divertido. Este Megatubarão, no entanto, é tão derivativo e sem personalidade que nem isso consegue oferecer.

Na trama, o especialista em resgates submarinos Jonas Taylor (Jason Statham) tem uma missão fracassada e credita o insucesso à presença de uma imensa criatura, mas ninguém acredita nele. Tempos depois, um grupo de cientistas fica preso sob profundidades abissais depois de ser atacado por um imenso tubarão pré-histórico e Jonas é chamado para realizar o resgate.

Esse não é o tipo de filme que vamos assistir interessados em trama ou desenvolvimento de personagem, mas Megatubarão insiste em fazer isso e escolhe trilhar esse caminho transitando por uma coleção de lugares-comuns. Jonas é o clichê do herói com um trauma a superar e o filme gasta uma boa parte de sua minutagem tentando nos convencer que ele é esse indivíduo devastado pelo trauma, apenas para abandonar essa faceta do personagem quase que completamente quando o tubarão aparece e ele se joga diante do perigo sem pensar duas vezes ou sem duvidar da própria capacidade.

terça-feira, 7 de agosto de 2018

Crítica - Acrimônia


Análise Crítica - Acrimônia


Review - Acrimony
Acrimônia parecia mais um daqueles clones sem imaginação de Atração Fatal (1987), tal como o recente Paixão Obsessiva (2017), que serão reprisados exaustivamente pelo Super Cine da Globo e, bem, é exatamente isso. O problema nem é a natureza derivativa, mas o fato dele se arrastar por quase noventa minutos até que a trama finalmente comece a avançar em alguma direção.

A narrativa é centrada em Melinda (Taraji P. Henson) que na juventude se apaixona por Robert (Lyriq Bent) e se casa com ele à despeito das irmãs dela avisarem que Robert é um aproveitador mulherengo que só quer o dinheiro que Melinda herdou da mãe. Durante anos Melinda tem que trabalhar sozinha para sustentar a casa enquanto o marido apenas torra dinheiro tentando criar um novo tipo de bateria eólica. Quando Melinda perde a casa por conta dos investimentos ruins do marido, ela finalmente resolve pedir o divórcio, mas coincidentemente Robert finalmente consegue vender sua invenção para uma grande empresa, despertando uma fúria vingativa em Melinda, que o processa pela fortuna que obteve às custas dela.

Essa breve sinopse parece relativamente funcional e sem grandes problemas, delineando a premissa e o conflito principal que se apresenta no que deveria ser o começo da trama. O problema é que essa sinopse não diz respeito aos primeiros minutos ou ao terço inicial, mas a quase 80% da duração do filme, já que é que somente nos últimos vinte e poucos minutos que o conflito principal é estabelecido.

segunda-feira, 6 de agosto de 2018

Critica – Operação Enganosa


Análise Critica – Operação Enganosa


Review – Operação Enganosa
Quando se fala nas grandes empresas do ramo da saúde, normalmente são as indústrias farmacêuticas ou as corporações de planos de saúde que emergem nas nossas mentes, mas pouco se fala nas empresas que vendem e fabricam equipamentos e dispositivos (próteses, implantes e por aí vai). O documentário Operação Enganosa vem para remediar isso e o quadro que ele pinta desse ramo da indústria da saúde é ainda mais assustador do que eu imaginava.

Dirigido por Kirby Dick, que já tinha mostrado um trabalho investigativo consistente ao abordar a questão do estupro nas universidades em The Hunting Ground (2016), o filme narra os processos de aprovação de equipamentos médicos junto aos órgãos reguladores do governo, bem como as vidas de pessoas que tiveram sequelas ou problemas de saúde em virtude de dispositivos que foram colocados no mercado sem os devidos estudos clínicos.

A narrativa mostra como o processo de ter um equipamento aprovado pelos órgãos reguladores é bem menos minucioso do que o dos fármacos. Se para comercializar uma nova droga são necessários longos estudos clínicos com amplas amostragens, para introduzir no mercado um novo equipamento basta afirmar que ele é similar a outro já existente, mesmo que esse outro tenha sido removido do mercado por não funcionar, para pular todo o processo de testes clínicos com humanos. Mesmo quando há testes (menos de 2% dos produtos aprovados) eles tem o escopo muito menor (em termos de amostragem e duração do estudo) em relação aos testes que envolvem medicamentos.

sexta-feira, 3 de agosto de 2018

Crítica – No Man’s Sky NEXT

Análise Crítica – No Man’s Sky NEXT



Review – No Man’s Sky NEXT
Quando No Man’s Sky foi lançado há dois anos atrás, ficou evidente que o jogo não chegava perto de cumprir todas as promessas que foram feitas a seu respeito desde que tinha sido anunciado. Havia uma fundação promissora, mas a falta de conteúdo tornava fácil perder o interesse depois de algumas horas. A desenvolvedora Hello Games podia ter deixado o jogo nesta situação, mas desde então vem adicionando conteúdo periódica e gratuitamente, culminando na atualização intitulada NEXT, que marca também o lançamento de No Man’s Sky para o Xbox One (até então estava disponível apenas para PS4 e PC). NEXT é uma atualização gratuita, então se você já tem o jogo não é preciso adquirir mais nada, basta deixar que ele atualize.

A primeira diferença a ser notada são as melhorias visuais e ajustes nos algoritmos que geram os planetas, criaturas e vegetação, criando espaços visualmente mais ricos, criaturas mais diferentes e insólitas e vegetações mais densas. A galáxia é também mais povoada, com mais alienígenas presentes nas estações espaciais para interagir. Poucos jogos conseguem criar um senso de descoberta, saindo de um planeta para outro, como No Man’s Sky e isso continua valendo nesta atualização.

quarta-feira, 1 de agosto de 2018

Drops – South Park A Fenda que Abunda Força: Um Drink na Casa Bonita e CroCrunch

Crítica - South Park DLC


Nossa sessão de textos curtos explora hoje os dois DLCs lançados para o jogo South Park: A Fenda Que Abunda a Força. Quando escrevemos sobre o RPG, consideramos ele divertido, ainda que um pouco inferior ao primeiro, South Park:The Stick of Truth, agora avaliaremos seus dois conteúdos adicionais que, tal como o jogo original, estão disponíveis para PS4, Xbox One, PC e Nintendo Switch.