quinta-feira, 12 de setembro de 2019

Crítica – Amor em Obras




Produção original da Netflix, Amor em Obras é daqueles filmes que funcionam como um passatempo ainda que não tenha nada de memorável ou particularmente singular ao ponto de se tornar uma experiência recomendável. É para ser visto em um dia chuvoso, quando não há nada para fazer e você já assistiu alternativas melhores.

A narrativa é protagonizada por Gabriela (Christina Milian) uma ambiciosa garota nova-iorquina que, depois de uma decepção amorosa, acaba entrando em um concurso para ganhar uma pousada no interior da Nova Zelândia. Ela vence o concurso, mas ao chegar no local, descobre que a propriedade está em péssimo estado. Com recursos financeiros limitados, ela acaba aceitando uma sociedade com o construtor Jake (Adam Demos) e, logicamente, os dois vão se apaixonando conforme a reforma se desenvolve.

É um enredo que lembra bastante Um Dia a Casa Cai (1986), também sobre um casal que tenta reformar uma casa dilapidada, e outros filmes sobre personagens que se afastam da cidade para buscar uma vida simples no interior ao reformar uma velha propriedade, como em Sob o Sol da Toscana (2003) ou Um Bom Ano (2005). Em resumo, não há nada aqui que já não tenhamos visto antes.

quarta-feira, 11 de setembro de 2019

Crítica – O Mal Não Espera a Noite: Midsommar


Análise Crítica – O Mal Não Espera a Noite: Midsommar


Review – O Mal Não Espera a Noite: Midsommar
Filmes de terror se passam majoritariamente à noite e com pouca iluminação. Provavelmente porque as sombras geram espaços cujo conteúdo é desconhecido e o desconhecido, o não compreendido, o “outro”, é sempre algo assustador. No entanto, sempre me perguntei se alguém faria um filme de terror que se passasse integralmente em dias claros e ensolarados. Pois o diretor Ari Aster, responsável pelo tenebroso Hereditário (2018), resolveu atender minha curiosidade com este O Mal Não Espera a Noite: Midsommar, que nos confronta com um horror essencial da existência humana: a constatação da futilidade da existência e da inevitabilidade da dor.

A trama é centrada em Dani (Florence Pugh), que está passando por um momento difícil depois da morte da irmã e dos pais. O luto da personagem é agravado pelo fato do namorado de Dani, Cristian (Jack Reynor), se recusa a dar qualquer suporte emocional, ao invés disso planeja uma viagem à Suécia com amigos. A viagem é para a pequena vila na qual Pelle (Vilhelm Blomgrem), amigo de Cristian, nasceu e que é toda baseada em um culto à natureza que todo ano faz um festival para comemorar o solstício de verão. Dani, Cristian, Pelle e mais alguns amigos chegam à vila e começam a tomar parte nas celebrações, mas aos poucos vão descobrir as práticas brutais daquela pequena comunidade.

terça-feira, 10 de setembro de 2019

Crítica – Indústria Americana


Análise Crítica – Indústria Americana


Review – Indústria Americana
Produzido pela Netflix, o documentário Indústria Americana tenta retratar os conflitos causados pela chegada de uma fábrica chinesa aos Estados Unidos. Poderia render uma boa discussão sobre capitalismo, globalização, imperialismo e globalização, mas o filme acaba ficando à margem de tudo isso e o resultado é um produto superficial que parece não entender que a história que está contando é apenas uma parte de uma questão muito maior.

No filme, uma cidade no interior dos Estados Unidos teve sua economia dilapidada quando a General Motors fechou uma fábrica no local. A cidade volta a ter esperança no próprio crescimento quando um bilionário chinês compra o espaço da antiga fábrica e a reabre como uma fábrica de vidros para automóveis. A esperança, no entanto, vai se esvaindo conforme os trabalhadores vão se confrontando com o “estilo gerencial” dos chineses.

Aí começam os problemas do filme. Ele retrata toda a situação com um foco míope que faz as disputas entre patrões e empregados parecer algo particular dos chineses, cuja disciplina e foco em produtividade os faz explorar os trabalhadores ao máximo. Na verdade, essa é uma estratégia típica do capitalismo globalizado constantemente adotada por países imperialistas.

segunda-feira, 9 de setembro de 2019

Crítica – Abigail e a Cidade Proibida


Resenha Crítica – Abigail e a Cidade Proibida


Review – Abigail e a Cidade Proibida
Quando escrevi sobre o pavoroso Mentes Sombrias (2018) e o recente Máquinas Mortais (2019) mencionei como esses filmes demonstravam o esgotamento da fórmula de universos distópicos autoritários com tramas infanto-juvenis sobre resistência e independência. Pois a mensagem aparentemente não chegou na Rússia, já que este Abigail e a Cidade Perdida, co-produção entre Rússia e Estados Unidos, repete preguiçosamente todos os elementos típicos deste tipo de história salpicando algumas pitadas de Harry Potter.

A trama gira em torno da jovem Abigail Foster (Tinatin Dalakishvili), ela cresceu em uma cidade cercada por uma grande muralha e governada por um Estado autoritário que justifica seu controle excessivo como a única maneira de manter uma perigosa doença sob controle e seu pai foi capturado ainda quando a protagonista era criança sob a acusação de estar infectado. Logicamente o governo está mentindo e os infectados são, na verdade, pessoas com poderes especiais. No esforço para descobrir o que aconteceu com o pai, Abigail se junta à Resistência (porque claro que há uma resistência) liderada por Bale (Gleb Bochkov) e Stella (Ravshana Kurkova)

domingo, 8 de setembro de 2019

Crítica – It: Capítulo 2


Análise Crítica – It: Capítulo 2


Review – It: Capítulo 2
Apesar de ter adorado It: A Coisa (2017), confesso que estava apreensivo com essa segunda parte, já que, no livro de Stephen King, o segmento com os personagens com os personagens adultos é bem inferior ao início com os personagens crianças. Este It: Capítulo 2 é, de fato, inferior à primeira parte, mas ao menos consegue funcionar como um desfecho digno e é bem melhor que a péssima segunda parte da versão televisiva da década de noventa.

A trama se passa 27 anos depois do original. Mike (Isaiah Mustafa), o único do Clube dos Otários a permanecer em Derry, se dá conta de que a onda de mortes de Pennywise (Bill Skarsgard) recomeçou. Assim, ele chama os demais amigos para voltarem à cidade e cumprirem o juramento que fizeram de eliminar a criatura de uma vez por todas caso ela voltasse.

O elenco adulto é competente, mas não encanta o mesmo tanto que o elenco jovem do primeiro filme. Parte do problema é inerente à própria situação, afinal ver crianças sendo confrontadas com seus medos é uma situação mais tensa do que acompanhar adultos dotados de certa maturidade e ciência de suas vulnerabilidades emocionais passarem pela mesma situação. Outra razão é que a trama em si não dá muito espaço para desenvolver esses personagens em suas novas situações e vermos o tanto que eles se transformaram. Temos um pequeno vislumbre disso na cena do restaurante chinês, mas depois o filme se reduz a uma corrida contra o tempo para derrotar Pennywise.

quinta-feira, 5 de setembro de 2019

Crítica – Ys VIII: Lacrimosa of Dana


Análise Crítica – Ys VIII: Lacrimosa of Dana


Review – Ys VIII: Lacrimosa of Dana
Eu confesso que apesar de ser fã de RPGs japoneses nunca tive muito contato com a franquia Ys. Eu sabia da existência dela já na época do Super Nintendo, mas só fui jogar algum jogo da série anos atrás com Ys Seven para PSP e passei a apreciar a jogabilidade de RPG de ação da franquia. Isso inevitavelmente me levou a este Ys VIII: Lacrimosa of Dana, que não joguei logo que foi lançado, mas inevitavelmente chegou às minhas mãos.

Como os outros jogos da série, a trama é centrada em um guerreiro de cabelos vermelhos chamado Adol Cristin. O protagonista está em uma viagem de navio quando a embarcação é atacada por uma poderosa criatura marinha que destrói todo o barco. Adol e outros membros da tripulação acordam em uma ilha deserta e aos poucos descobrem que a ilha guarda muitos mistérios, como a presença de criaturas que muitos acreditavam estarem extintas, os Primordials (basicamente dinossauros), e as ruínas de uma antiga civilização. Adol começa a sonhar com essa civilização e com uma sacerdotisa chamada Dana e, assim, Adol precisa desvendar os mistérios da ilha ao mesmo tempo em que precisa encontrar o resto dos sobreviventes e arranjar um meio para sair da ilha.

quarta-feira, 4 de setembro de 2019

Jogamos o modo história de Power Rangers Battle For The Grid


Review Power Rangers Battle For The Grid Story Mode

Em nossa crítica sobre Power Rangers Battle For The Grid mencionamos como o jogo tinha potencial, mas faltava polimento e modos de jogo. Pois desde seu lançamento saíram uma série de conteúdos adicionais, a maioria gratuitos, que ajudam o jogo a chegar mais próximo de sue potencial.

terça-feira, 3 de setembro de 2019

Crítica – Amigos Para Sempre


Análise Crítica – Amigos Para Sempre

Review – Amigos Para SempreO filme francês Intocáveis fez muito sucesso ao redor do mundo quando foi lançado em 2011 ao contar a história de um imigrante que começava a trabalhar como cuidador de um homem rico e tetraplégico e acabava construindo uma grande amizade. O sucesso acabou rendendo também alguns remakes, como a péssima versão argentina, Inseparáveis (2017), e este Amigos Para Sempre, versão hollywoodiana que consegue não ser tão desastrosa quanto a argentina, ainda que também nunca consiga justificar a própria existência.

A trama é quase a mesma do original. Dell Scott (Kevin Hart) é um ex-presidiário com dificuldade de reconstruir a vida e vai a uma entrevista de emprego só para mostrar a sua agente de condicional que está procurando trabalho. Na entrevista ele conhece o tetraplégico Philip (Bryan Cranston) e acaba sendo contratado. Aos poucos Dell vai se aproximando de Philip, ensinando a ele que ainda é possível aproveitar a vida, enquanto seu chefe irá lhe ensinar a ser mais responsável.

segunda-feira, 2 de setembro de 2019

Lixo Extraordinário – Palhaços Assassinos do Espaço Sideral


Crítica – Palhaços Assassinos do Espaço Sideral


Review – Palhaços Assassinos do Espaço Sideral
Lançado em 1988, Palhaços Assassinos do Espaço Sideral parece, no papel, uma mistura ideal entre terror e humor. Na prática, no entanto, o resultado final carece tanto de criatividade no humor quanto de violência e gore para funcionar como deveria em qualquer uma dessas duas frentes.

Na trama, o casal Mike (Grant Cramer) e Debbie (Suzanne Snyder) está trocando beijos na floresta quando veem um cometa passar no céu. Eles tentam seguir o cometa até o lugar onde ele caiu, mas quando chegam no que deveria ser o ponto de impacto, encontram apenas uma estranha tenda circense. O casal decide entrar na tenda e descobrem se tratar de uma nave espacial habitada por criaturas que se parecem com palhaços. Os palhaços tentam matá-los e eles fogem para a cidade, mas os alienígenas seguem o casal e começam a aterrorizar os habitantes do local.

Como em muitos filmes de terror, os protagonistas se comportam como completos idiotas na maior parte do tempo. Mike e Debbie, por exemplo, entram sem qualquer cerimônia no estranho circo abandonado no meio do mato. Em outro momento dois personagens se recusam a deixar o furgão em que estão mesmo quando um palhaço assassino gigante está correndo na direção deles só pelo motivo do automóvel ser alugado. Porque, claro, pagar o prejuízo seria muito pior que morrer.

quinta-feira, 29 de agosto de 2019

Crítica – Turma da Mônica: Laços


Análise Crítica – Turma da Mônica: Laços


Review – Turma da Mônica: Laços
Escrita por Lu e Victor Cafaggi, a graphic novel Turma da Mônica: Laços era uma afetuosa celebração do universo criado por Maurício de Souza e funcionava por aprofundar o que sabíamos sobre esses personagens sem esquecer a essência deles. Esta adaptação para os cinemas se manteve relativamente fiel ao material original, mas isso não significa que não tem sua parcela de problemas.

A trama começa quando Floquinho, o cachorro do Cebolinha (Kevin Vechiatto), desaparece e as crianças da Rua do Limoeiro se unem para ajudar Cebolinha a procurar Floquinho. Assim, Mônica (Giulia Benitte), Magali (Laura Rauseo) e Cascão (Gabriel Moreira) partem em uma aventura por uma floresta próxima, mas acabam se perdendo, precisando também encontrar o rumo de casa.

A narrativa acerta não só na recriação com atores e cenários do universo concebido por Maurício de Souza e na graphic novel na qual o filme é mais diretamente inspirado como também no olhar mais simples e ingênuo sobre infância que essas histórias sempre tiveram. As crianças da narrativa brincam na rua sem precisar de muita coisa para se divertirem, muitas vezes usando a própria imaginação para conceber suas brincadeiras, sem depender diretamente de tecnologia ou brinquedos caros, valorizando o lúdico e a imaginação.