segunda-feira, 25 de março de 2019

Crítica – Fé Corrompida (First Reformed)


Análise Crítica – No Coração da Escuridão (First Reformed)


Review – No Coração da Escuridão (First Reformed)
Os filmes escritos e/ou dirigidos por Paul Schrader costumeiramente trazem homens solitários, isolados, com conflitos existenciais e um senso direto de propósito. Vemos isso em Taxi Driver (1976), cujo roteiro é de sua autoria, ou em Gigolô Americano (1980), que ele escreveu e dirigiu. Vemos isso também em Fé Corrompida, seu trabalho mais recente.

A narrativa acompanha o pastor Toller (Ethan Hawke). Ele é responsável por uma pequena igreja no interior dos Estados Unidos cuja importância reside mais no seu lado histórico, por ter sido uma das primeiras do país, do que por sua congregação, que é cada vez menor. Ele passa seus dias guiando turistas e estudantes em tours pela igreja, explicando a importância histórica do local. Sua chance de fazer algo relevante pela comunidade vem quando a jovem grávida Mary (Amanda Seyfred) pede que Toller a ajude com o marido, o ambientalista radical Michael (Philip Ettinger), que não quer que Mary leve adiante sua gravidez por se preocupar com o futuro desastroso da humanidade por conta da mudança climática.

O encontro com Michael abre antigas feridas e culpas em Toller e o pastor começa a questionar sua missão de fé e até que ponto ele, enquanto servo de Deus, de fato está contribuindo para a melhora e edificação do ser humano e do planeta. Não são questões fáceis e confrontá-las cria um tipo de pânico existencial conforme o personagem se esforça cada vez mais para tentar encontrar uma resposta sobre como agir com retidão moral em um mundo cada vez mais complexo. O filme, no entanto, nunca chega a colocar em pauta o fato de Michael não deveria ter que opinar sobre algo que diz respeito ao corpo da esposa (abortar ou não seria uma escolha dela) ou se Michael deveria opinar sobre isso.

Ethan Hawke, em seu melhor trabalho em anos, é excelente em evocar todo o tormento interno do personagem, adicionando camadas de desespero, culpa e desejos reprimidos a um personagem que não sabe mais como cumprir sua missão de fé e põe em dúvida suas ações presentes. Esse senso de pavor existencialista é amplificada pela silenciosa atmosfera pastoral campestre criada pelo filme. Com pouquíssima música e constantes imagens do campo, jardins e da pequena igreja em meio ao verde dos prados, há um claro contraste entre a tranquilidade do ambiente e como esse isolamento também pesa nos ombros do protagonista.

Além do questionamento sobre correção moral, o filme também reflete sobre a mercantilização da fé e como o ideal cristão foi transformado em um produto a ser consumido, vendido e apropriado por grandes corporações que muitas vezes possuem práticas pouco cristãs. Ao conversar com um superior, Jeffers (o comediante Cedric The Entertainer em uma performance surpreendentemente séria), Toller reclama dele ter aceitado auxílio financeiro de um magnata corrupto do ramo de energia que derrubou várias leis ambientais.

Assim, o filme aponta não apenas para a nossa responsabilidade direta diante dos problemas do mundo, mas também uma responsabilidade indireta. Afinal, aceitar auxílio de alguém que ativamente causa mal ao mundo não significa fazer vista grossa a esse mal? Até que ponto essa inação viola nosso senso de responsabilidade moral de agir para melhorar o mundo? Nada disso tem uma resposta fácil e o texto de Schrader tem maturidade para reconhecer isso e evita oferecer catarses ou redenções rápidas para seus personagens.

Em um determinado momento a trama entra em uma viagem metafísica que faz Toller literalmente flutuar pelo cosmo. É um momento tão estranho e exógeno ao resto do filme que poderia facilmente ter feito tudo degringolar, mas serve para mostrar o isolamento e carência de contato humano do protagonista. As dúvidas e tensões de Toller, jogado em múltiplas direções por sua incerteza quanto ao seu papel no mundo, culminam no tenso desfecho no qual ele transita com intensidade entre seu compromisso moral de fazer o que crê ser certo, sua necessidade de se punir e se penitenciar pelas coisas que lhe causam culpa ou ceder aos seus desejos pessoais deixando de lado seu questionamento sobre fé e culpa.

Desta maneira, Fé Corrompida é um tenso e complexo estudo sobre o temor existencial da raça humana, sobre a dificuldade em encontrar propósito ou retidão em um mundo com cada vez menos clareza moral.

Nota: 9/10

Trailer

Nenhum comentário: