quarta-feira, 17 de março de 2021

Crítica - O Recepcionista

Análise Crítica - O Recepcionista

Review - O Recepcionista
O filme Janela Indiscreta (1954) segue na memória do cinema pela excelente condução do suspense por parte de Alfred Hitchcock e pelo modo como sua narrativa servia para pensarmos o voyeurismo do próprio ato de ser um espectador de cinema. Este O Recepcionista também toca no tema do voyeurismo, mas não tem muito a pensar sobre esse tema, tampouco consegue criar um suspense minimamente envolvente.

Na trama, Bart (Tye Sheridan) é um jovem com Síndrome de Asperger que trabalha como recepcionista noturno em um hotel e tem o hábito de filmar as pessoas com quem interage para tentar aprender a socializar melhor. Bart não filma apenas quem conversa diretamente com ele, mas também coloca câmeras em alguns quartos do hotel em que trabalha. Quando uma mulher é assassinada diante das câmeras de Bart, isso o coloca em uma corrida contra o tempo para evitar que a polícia desconfie dele, em especial o detetive Espada (John Leguizamo), e para descobrir a identidade do real culpado.

Sherdian pesa a mão dos trejeitos e nas inflexões vocais de Bart, muitas vezes pendendo para uma composição histriônica e exagerada. Não ajuda que o texto não dê nenhuma nuance ao personagem, reduzindo-o ao seu transtorno, o que soa anacrônico e um retrocesso na representação de personagens no espectro do autismo, principalmente quando tivemos retratos mais complexos de personagens dessa natureza como a Benê (Daphne Bozaski) de Malhação Viva a Diferença e As Five.

A ideia de Bart colocar câmeras nos quartos do hotel em que trabalha também não ajuda a ter simpatia por ele, já que o faz soar como um stalker tóxico ao invés alguém tentando aprender sobre relações humanas. Afinal, há uma diferença entre filmar alguém com quem está interagindo diretamente e filmar alguém que crê estar em um espaço de privacidade, uma distinção importante que o texto nunca discute.

Isso impacta no modo como lidamos com a relação entre Bart e a mãe dele, Ethel (Helen Hunt), também é difícil de embarcar porque o filme não explica até que ponto Ethel sabe das ações do filho. É compreensível que ela aja de maneira superprotetora, pois deve ter uma vida de experiência de ver o filho sofrendo preconceito, mas, ao mesmo tempo, o filme nunca diz até que ponto ela conhece os hábitos dele. Em uma cena com o detetive Espada ela diz ao policial que filmar as pessoas é o meio de Bart interagir com o mundo, no entanto nunca é explicitado se ela sabe das invasões de privacidade que o filho comete e, com isso, não temos como nos posicionar a respeito de Ethel, já que ela pode ser tanto uma mãe bem intencionada ou perigosamente permissiva, dependendo da extensão do quanto ela sabe.

Não ajuda que o filme se arraste no desenvolvimento da trama mesmo tendo apenas noventa minutos de duração. Não há suspense ou tensão porque é óbvio desde o início, inclusive por conta do minúsculo número de suspeitos, que o marido da vítima é o culpado. Também há pouca sensação de perigo envolvendo o protagonista, já que bastaria ele admitir para a polícia que filmou tudo e mostrar para eles as imagens que tudo se resolveria facilmente.

O trabalho de Ana de Armas como uma hóspede que se aproxima de Bart é uma das poucas que funciona. A atriz consegue trazer uma dose ideal de ambiguidade para sua personagem, mostrando que ela tem um cuidado genuíno por Bart, mas, ao mesmo tempo, que ela tem intenções ocultas em se aproximar do jovem. John Leguizamo também acerta na natureza arguta do detetive Espada, que percebe que Bart sabe mais do que demonstra, embora não saiba como Bart se encaixa na história toda.

Esses dois personagens, porém, não bastam para salvar O Recepcionista de ser um suspense arrastado, sem tensão e que faz um retrato questionável de pessoas no espectro do autismo.

 

Nota: 3/10


Trailer

Nenhum comentário: