segunda-feira, 3 de fevereiro de 2020

Crítica – Joias Brutas


Análise Crítica – Joias Brutas


Review – Joias BrutasQuando falamos em Adam Sandler, logo vêm à mente as péssimas comédias que ele faz. No entanto, ao longo de sua carreira, Sandler demonstrou que pode entregar ótimas interpretações quando trabalha com bons diretores a exemplo de sua colaboração com Paul Thomas Anderson em Embriagado de Amor (2002) ou com Noah Baumbach em Os Meyerowitz: Família Não Se Escolhe (2017). Dirigido pelos irmãos Safdie, responsáveis pelo excelente Bom Comportamento (2017), este Joias Brutas é mais um caso de Sandler colaborando com diretores competentes e entregando uma boa interpretação.

Na trama, Sandler é Howard, um dono de joalheria no distrito dos diamantes de Nova Iorque. Howard sempre tem um esquema para tentar faturar alto, mas está atolado em dívidas por conta de seu vício em apostas. Com cobradores violentos em seu encalço para que pague o que deve, Howard corre contra o tempo para vender uma rara opala multicolorida e assim levantar o dinheiro que precisa.

A impressão de alguém correndo contra o tempo é construída pelo modo como os Safdie filmam, com a câmera em constante movimento enquanto acompanha Howard, raramente ficando parada e mesmo quando fica a montagem fica incumbida de dar esse senso de velocidade. Com isso fica a impressão de que Howard sempre tem algum lugar para ir e algum problema para resolver ou do qual fugir. Como um tubarão, o protagonista está sempre se deslocando para algum lugar e ficar parado pode significar sua destruição.

Falo em destruição iminente porque nas andanças do personagem os cobradores e colaboradores que ele encontra demonstram cansaço e impaciência com os muitos esquemas infrutíferos do comerciante de joias, como se estivessem fartos da embromação de Howard e prontos a tomarem medidas drásticas. Desta maneira, o filme cria para si um sentimento crescente de tensão, como se as paredes estivessem se fechando ao redor de Howard.

O senso de inquietação se manifesta na própria conduta de Howard, em muitos momentos tentando fazer mais de uma coisa ao mesmo tempo, digitando mensagens em seu celular enquanto conversa com outra pessoa, normalmente sem sequer olhar para seu interlocutor. Howard não parece estar vivendo no presente, no espaço em que está, sempre havendo outra pessoa a falar, algo a assistir ou alguma outra atividade que o afaste ou o faça negligenciar a família para tentar sair do buraco que cavou para si mesmo.

Seria fácil tornar Howard um sujeito desprezível por conta de sua ganância, seu egocentrismo, os vícios que o fazem agir de maneira impensada, o fato dele trair a esposa ou negligenciar os filhos. Ainda assim, Sandler consegue encontrar nele uma certa medida de fragilidade e ingenuidade que acabam humanizando o personagem. Por mais que saibamos que os problemas do protagonista foram causados por ele mesmo, Sandler nos consegue fazer ter pena dele e nos faz acreditar que as decisões estúpidas e desesperadas que toma acontecem por achar que aquele de fato é o melhor curso a ser seguido. Essas falhas são tão parte dele quanto suas virtudes e o filme evidencia isso já em seus primeiros minutos quando a câmera mergulha no prisma colorido da opala e a montagem faz uma transição para imagens de dentro do corpo de Howard, como se as joias e ele fossem uma coisa só, feitas da mesma matéria.

A fusão entre o corpo do protagonista e o objeto que ele deseja vender e demonstrar valor também se relaciona com o movimento incessante de Howard para conseguir dinheiro. Sempre apostando e aferindo valor das joias, Howard vive de aferir o valor possível de objetos e ações. Sua vida é uma síntese da própria lógica capitalista de especular sobre o valor das coisas, até mesmo o sofrimento pessoas. Afinal, sua opala é valiosa pela raridade e dificuldade de obtê-la e, como o início mostra, a pedra só é obtida ao custo do sofrimento de outros. Seu movimento constante em busca de valores cada vez mais altos para não ser destruído ao mesmo tempo em que corre o risco de ser completamente obliterado por essa busca sem limites é um movimento feito pelo próprio, cuja especulação descontrolada muitas vezes gera crises, quebras e destruição de sistemas econômicos.

Isso fica evidente durante o clímax do filme, quando Howard tem a chance de pagar suas dívidas e acabar com todos os problemas, mas decide literalmente apostar todo o seu futuro. Uma escolha arriscada e estúpida que demonstra como o vício em apostas do personagem o faz agir sem pensar direito nas consequências e também demonstra a ingenuidade do personagem achando que poderia tapear os cobradores daquela maneira e ser perdoado se devolvesse o dinheiro. O desfecho acaba sendo uma envolvente montanha-russa de tensão e relaxamento, conforme ficamos em suspense se Howard conseguirá ou não resolver a situação, sendo difícil não ser impactado por sua resolução.

Joias Brutas se sustenta, portanto, graças ao modo como os Safdie constroem de maneira enérgica um crescente de tensão e pelo modo como Adam Sandler dá diferentes camadas ao seu protagonista.

Nota: 9/10


Trailer

Nenhum comentário: