segunda-feira, 5 de março de 2018

Crítica - O Passageiro


Resenha O Passageiro


Análise O Passageiro
Em Sem Escalas (2014) o diretor Jaume Collet-Serra colocava Liam Neeson para enfrentar bandidos em um avião. Agora, neste O Passageiro, Collet-Serra dirige Neeson em uma aventura na qual ele precisa enfrentar bandidos à bordo de um trem. Se parece uma reciclagem preguiçosa da mesma trama em uma ambientação diferente, é porque esse filme é exatamente isso.

Michael MacMacauley (Liam Neeson) é um ex-policial que trabalha vendendo seguros. Todo dia ele pega o trem de onde mora até Manhattan para chegar ao trabalho. Ele já se habituou à rota e já conhece os passageiros usuais. Quando subitamente ele perde o emprego, uma misteriosa mulher (Vera Farmiga) o aborda no trem de volta para casa. Ela lhe promete um pagamento de 100 mil dólares se ele puder identificar uma determinada pessoa no trem e plantar um rastreador em seu alvo. Logicamente, as coisas não são tão simples quanto parecem ser e Michael se vê em uma corrida contra o tempo para desbaratar uma perigosa conspiração.

Neeson é competente ao construir um senso de "homem comum" para seu personagem, um trabalhador como qualquer outro que poderíamos facilmente encontrar em um trem, ônibus ou metrô de nossa cidade. O início do filme mostra como a situação financeira de Michael e sua família vai se complicando com o tempo e a demissão súbita de um personagem que pareceu trabalhar cada vez mais para receber cada vez menos sugere que o filme irá se deter sob esses temas. Na conversa de Michael durante sua demissão ou posteriormente, quando encontra seu ex-colega Alex (Patrick Wilson) em um bar, há um sentimento crescente de injustiça social, como se essa fosse a direção a ser tomada pela narrativa, mas isso nunca se concretiza. Todas essas questões inicialmente levantadas são logo esquecidas assim que Neeson entra no trem.

Uma vez estabelecido o conflito central, a trama segue o mesmo fluxo de Sem Escalas (2014), com o protagonista investigando cada um dos passageiros e oferecendo várias pistas falsas sobre a identidade de quem procura. Por se tratar de um trem urbano, que faz várias paradas e transita pelo meio da cidade, o senso de claustrofobia e tensão é bem menor aquele produzido pelo avião fechado em seu voo ininterrupto de Sem Escalas (2014). O suspense também não funciona em virtude dos passageiros do trem serem figuras tão rasas que beiram o caricato. Apesar do elenco contar com atores competentes como Patrick Wilson, Jonathan Banks (o Mike de Breaking Bad e Better Call Saul) ou Vera Farmiga, o filme mantém mínima a presença desses atores e durante boa parte do tempo Neeson fica limitado a interagir com personagens sem graça ou carisma.

As cenas de ação são burocráticas e, embora mereçam reconhecimento pela tentativa de fazer tudo com poucos, são prejudicadas por uma câmera tremida que ao invés de conferir urgência ou aperto (em virtude do espaço apertado) faz tudo soar mais caótico e confuso do que deveria. Além disso, elas não oferecem nada diferente ou criativo em relação ao que Neeson já fez como astro de ação. Quando a resolução da trama finalmente chega, é difícil afastar a sensação de que o plano dos vilões era excessivamente mirabolante em relação ao problema simples que tinham para resolver.

Apesar do carisma de Liam Neeson, O Passageiro falha em afastar a sensação de que é uma repetição pouco inspirada do que o ator já tinha feito antes ao lado do diretor Jaume Collet-Serra. É aquele tipo de filme de ação preguiçoso que só presta para ser visto em uma madrugada insone passando no Corujão da Globo.


Nota: 4/10


Trailer

Nenhum comentário: