quinta-feira, 1 de julho de 2021

Lixo Extraordinário – Meninas Malvadas 2

 

Análise Crítica – Meninas Malvadas 2

Review – Meninas Malvadas 2
Lançado em 2004, Meninas Malvadas foi praticamente um clássico instantâneo ao subverter os clichês de comédias adolescentes ao criticar as divisões em panelinhas e o modo como essas tramas só servem para alimentar a noção problemática de rivalidade feminina e que mulheres não conseguem ser amigas. Sete anos depois foi feita uma continuação sem ninguém da equipe criativa do original ou do elenco (apenas Tim Meadows retornou como o diretor da escola) e o resultado é algo digno desta coluna sobre o que há de pior no cinema.

A narrativa é protagonizada por Jo (Meaghan Martin), uma garota que constantemente muda de escola por conta do pai ser um mecânico da NASCAR. Chegando em sua nova escola, na qual terminará o ensino médio, ela pretende não chamar atenção para si enquanto espera para entrar na faculdade. O problema é que Jo acaba se aproximando Abby (Jennifer Stone), uma garota que é alvo constante do grupo de garotas populares da escola lideradas por Mandi (Maiara Walsh). Assim, Jo acaba se unindo a Abby para derrubar as meninas malvadas da escola.

Perto do original, este daqui não é apenas uma pálida imitação, mas um caça-níqueis cínico que sequer entende as ideias por trás do filme original. Ao invés de colocar em questão os temas de rivalidade feminina, o filme apenas repete mecanicamente todos os clichês do gênero, sem nenhum resquício da acidez e da autorreferencialidade do primeiro. Mesmo que eu desconsidere o original, o que resta é uma comédia adolescente sem graça, sem carisma e sem brilho que não dá ao espectador nenhum motivo para ficar investido em suas personagens.

O primeiro problema é a constante narração da protagonista, que não apenas explica exatamente aquilo que estamos assistindo, como também o passado das personagens, suas motivações e seus sentimentos. Desta maneira, não vemos esses conflitos ou emoções serem desenvolvidos dramaturgicamente durante as cenas, o filme apenas nos informa que alguém se sentiu assim ou que se comporta de determinada maneira por causa de um determinado evento, mas efetivamente não vemos muita coisa acontecer ao longo dos excruciantes noventa minutos de duração.

Em muitos casos a trama sequer parece fazer sentido. Logo no início descobrimos que Abby é podre de rica e que a razão para Mandi detestá-la tanto é que Abby sempre teve coisas melhores que ela. Ora, se Abby é tão rica e os pais dela são tão preocupados com a menina ao ponto de pagarem Jo para ficar próxima à filha, porque eles não ameaçam processar a escola? Isso certamente evitaria ocorrências como a cena em que alguns garotos destroem o carro de Abby com uma arma de paintball na frente do colégio inteiro.

Boa parte da rivalidade entre as garotas é construídas em cima de atos de bullying tão explícitos que é difícil crer que não haveria punição alguma. O original ao menos tinha um senso de criar atritos que realmente pareciam possíveis de acontecer entre colegiais e por vezes impunha consequências palpáveis para certos eventos. Aqui, no entanto, há um exagero tão grande, seja nos momentos em que quer ser sério ou quando as personagens pregam peças que deveriam soar mais cômicas, que não é possível manter a suspensão de descrença. Mesmo fazendo o esforço de tentar embarcar nos acontecimentos da trama, o humor é tão rasteiro e batido que é difícil rir de qualquer coisa.

A impressão é que Meninas Malvadas 2 não passa de um produto cínico de estúdio feito para tentar capitalizar em cima do sucesso do original sem, no entanto, ter se dado ao trabalho de entender o que fez aquele filme ser tão adorado.


Trailer

Nenhum comentário: