segunda-feira, 19 de março de 2018

Crítica - Por Trás dos Seus Olhos


Análise Por Trás dos Seus Olhos


Review Por Trás dos Seus Olhos
Gina (Blake Lively) é uma mulher parcialmente cega que finalmente tem uma chance de voltar a enxergar quando se submete a uma cirurgia em seu olho direito. A restauração de sua visão, no entanto, começa a criar problemas em seu casamento conforme ela fica menos dependente de seu marido, James (Jason Clarke). Poderia ser um estudo interessante sobre a dissolução de um casamento ou sobre como depender de alguém é diferente de amar alguém, mas o diretor Marc Forster resolve transformar sua premissa interessante em um suspense psicológico raso, genérico e com reviravoltas cada vez piores.

Se tem algo que o filme acerta, é na construção visual que tenta nos fazer enxergar o mundo sob os sentidos limitados de Gina. O filme usa diferentes lentes, filtros e efeitos digitais para criar imagens surreais e ocasionalmente oníricas para nos transmitir a experiência de Gina com o mundo. É tudo bem estilizado e criativo, mas é lamentável que todo esse estilo esteja a serviço de um produto com tão pouca substância.

Um dos principais problemas é que desde o início fica óbvio que o casamento dos dois não está em uma boa situação e é mais do que evidente que James aprecia a dependência de Gina em relação ele. O personagem constantemente (e de maneira abusiva) cria situações para lembrar a esposa de sua dependência, como o momento em que a deixa sozinha em uma boa, observando-a de longe enquanto Gina desesperadamente procura por ele. Gina, por sua vez, não tem nenhuma personalidade, sendo reduzida somente ao seu problema de visão e não ajuda que Blake Lively e Jason Clarke não tenham nenhuma química, jamais convencendo como um casal que está junto há tanto tempo.

Perdido em suas invencionices visuais, Marc Forster não percebe que sua narrativa esgota seus principais temas lá pela metade da projeção e insiste em arrastar o filme por desenvolvimentos que deveriam ser carregados de tensão, mas não funcionam. Alguns, como a tentativa de James em sabotar o tratamento de Gina, são tão óbvios que não tem possibilidade de produzir qualquer tensão, algo prejudicado pelo fato de que não temos qualquer razão para nos importarmos com esses personagens.

Outras reviravoltas são simplesmente sem sentido, como a ação de James em simular uma invasão ao apartamento para dar sumiço no cachorro de Gina (e é óbvio desde o início que foi ele). Qual o objetivo dele com isso? E para quê ele precisava simular um arrombamento? Não podia dizer que o cachorro morreu (ele era velho) ou que ele correu quando ele abriu a porta ao chegar? Isso sem mencionar o destino final de James, que soa tão gratuito que chega a provocar risos pela natureza ridícula do desfecho.

Com personagens desinteressantes e uma trama óbvia, permeada por reviravoltas cada vez mais absurdas, Por Trás dos Seus Olhos desperdiça uma boa premissa e seu interessante estilo visual.


Nota: 3/10


Trailer

Nenhum comentário: