segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Reflexões Boêmias: Piores Filmes de 2015


Final de ano chegando e hora de fazer o balanço do passou. Com o cinema não é diferente e essa é a época de relembrar o que teve de bom ao longo do ano, mas também o que teve de muito ruim. Normalmente as pessoas começam pelos melhores, mas preferi iniciar o meu balanço com um ranking dos piores. Então vamos às experiências mais dolorosas e insuportáveis que tive dentro de um cinema este ano. Logicamente, levei em conta apenas o que foi lançado comercialmente no Brasil ao longo de 2015. [Atualizado: 23/12/2015 às 21:27] Fiz esse post certo de que no último fim de semana do ano, não estrearia nada capaz de perturbar a ordem desta lista, mas o atroz Até Que a Sorte Nos Separe 3 chegou aos 45 do segundo tempo para me fazer reavaliar tudo e tornando o top 10 um top 11. Se quiserem saber em qual posição ficou, continuem lendo [Fim da atualização].



Épico de ação arrastado, com embates desprovidos de energia ou empolgação e coreografias burocráticas. A narrativa é toda apoiada em clichês e a atuação canastrona e caricata de Hayden Christensen também não ajuda. Nicolas Cage ocasionalmente aparece para devorar o cenário e acaba divertindo com seu jeito over, mas é muito pouco para salvar esse desastre.

 Trailer:



Suspense sonolento, esvaziado de qualquer sentimento de tensão ou urgência e prejudicado por um trabalho de câmera e montagem tão atroz que na maioria das vezes incapaz de estabelecer com clareza a lógica espacial das cenas ação. Personagens vazios e atuações no piloto automático completam a fita, que mais parece uma daquelas reconstituições encenadas de programas policialescos estilo Linha Direta.

Trailer:



Mais uma fantasia juvenil que tenta ocupar o vácuo deixado por O Senhor dos Anéis ou Harry Potter e falha miseravelmente. Com um roteiro com mais buracos que uma rodovia brasileira e um protagonista irritante e incapaz de resolver qualquer coisa por si mesmo (até a vilã chega "pré-derrotada" para ele), fica difícil embarcar na narrativa. O filme ainda comete o pecado de desperdiçar ótimos atores como Julianne Moore, Jeff Bridges e Alicia Vikander.

 Trailer:



Bricolagem rasa e sem inspiração de um monte de ideias que já cansamos de ver (e melhor) em boa parte dos filmes natalinos. As múltiplas tramas variam entre o apático e o irritante, além do pior uso de narração em off que vi em muito tempo.

 Trailer:



A diretora, roteirista e protagonista Angelina Jolie tenta emular aqueles filmes europeus intimistas da década de 70, mas o resultado é uma trama óbvia e enfadonha que se alonga mais do que o necessário sem nunca ir além da superfície dos seus personagens.

 Trailer:



Romance erótico completamente frígido, protagonistas sem química e sexo que parece saído de um pornô soft brega dos anos 80. Os diálogos que deveriam soar intensos ou sedutores constantemente descambam para o humor involuntário e ainda traz uma visão anacrônica e conservadora ao tratar fetiche como sinônimo de comportamento doentio e/ou abusivo.

 Trailer:
 


5 - A Forca

Vide item 4 a seguir.

 Trailer:



Terror estilo found footage preguiçosíssimo, com personagens tão estúpidos (no pior sentido da coisa) que é impossível se conectar com eles. Os "sustos" são basicamente imagens distorcidas com sons ininteligíveis e, para piorar, em muitos momentos não faz nenhum sentido que os personagens estejam filmando o que acontece.

Trailer:



Os irmãos Wachowski perdem o controle do próprio ego em uma ficção científica extremamente derivativa, mas que é conduzida como se fosse algo inovador e brilhante, quando tudo que eles fazem é dar nomes diferentes a ideias pra lá de batidas enquanto vomitam sua rasteira filosofia "zen-morfêutica" com uma empáfia imensa, como se estivessem nos catequizando em alguma verdade universal e superior.

 Trailer:


2 - Para o que Der e Vier

Matthew Weiner, criador de Mad Men, decepciona com uma comédia dramática rasteira e clichê, permeada por personagens desprovidos de qualquer carisma e um humor digno de Adam Sandler, regado a doses cavalares de misoginia.

 Trailer:


1 - Até Que a Sorte Nos Separe 3

Chegou de surpresa, no último fim de semana do ano, e roubou o topo do pódio. O filme é uma coleção de piadas preguiçosas, muitas delas tão desgastadas que já não tem nem graça, confunde grosseria com comédia e ainda traz um amontoado de estereótipos que não fazem mais sentido hoje. É uma síntese de tudo que há de errado na comédia.

Trailer:

Menções "honrosas"




Bem, é isso, essa foi minha tentativa de elencar os piores entre os piores que passaram por mim neste ano. E para você, quais foram os piores filmes a passarem pelos nossos cinemas este ano?

Nenhum comentário: